HISTÓRIA DA CRISTAL.

Antônio Krauskopf e  seu irmão Roberto Krauskopf, filhos de um austríaco e de uma portuguesa, que na década de 1940, na época da 2ºguerra mundial, vieram refugiados para o Brasil com o sonho de construir um negócio próprio, foram os fundadores da Pipoca Cristal em 1988.

1º Fase:

Tudo se iniciou em 1985 , quando Antônio Krauskopf e seu irmão Roberto, montaram uma pequena fábrica de bolachas tipo Sembei e de macarrão doce Flocon.

Como estes produtos não tiveram muito sucesso na época, em 1988 os irmãos decidiram começar a produzir a pipoca doce de canjicão em um pequeno salão alugado e com equipamentos improvisados. Nascia assim a  Pipoca Cristal.

A Primeira Sede Própria:

Em 1992, com o sucesso e expansão dos negócios das pipocas, a primeira sede própria foi comprada. Neste mesmo ano a fábrica nova pegou fogo e grande  parte do dinheiro poupado, foi confiscado pelo Plano Collor. Os irmãos não desanimaram e reiniciaram do zero com muita dificuldade, mas com apoio e mão de obra administrativa de suas esposas.

Em 1999, com a empresa reerguida, os irmãos conseguiram comprar a segunda sede própria, bem maior e mais adequada que a anterior. Antônio se destacou no setor comercial e Roberto na gestão operacional de produção.

A pipoca doce caiu muito bem no gosto do consumidor paulista e foi um grande sucesso, vendida em docerias, lanchonetes, escolas, bares, mercados, faróis, entre outros. Nesta época além da fabricação de pipocas, eles também iniciavam a produção de salgadinhos de milho e a distribuição doces.

Os irmãos Antônio e Roberto, foram sócios até 2007.

2º Fase:

Em 2005 o filho do Antônio Krauskopf, Douglas R. Krauskopf, aos 20 anos de idade deixou de trabalhar no setor bancário para trabalhar com seu pai na fábrica de pipoca.

Douglas trouxe toda a energia e a garra da juventude, assim como o pai e o tio fizeram no passado. Trouxe os desafios, as inovações e a expansão das vendas e da gama de produtos, além de fortalecer a marca Cristal com o foco na produção de salgadinhos de milho, apostando fortemente neste mercado.

Com a grande divulgação e aceitação do mercado dos salgadinhos, houve também uma grande expansão nas vendas das pipocas. Neste cenário, Douglas já a frente da gestão da empresa e seu pai a todo vapor na área comercial.

Além da pipoca doce, Douglas e Antônio trouxeram para agregar a Cristal, as pipocas salgadas, preferidas pelo consumidor nordestino.

Com o passar do tempo o espaço da fábrica e da distribuidora já não comportava mais o crescimento. A partir daí, em 2010, com apoio de novos sócios, Darci Barata e a filha Cibelle Barata, a Cristal mudou-se para a cidade de Itaquaquecetuba, em um estabelecimento industrial de 10.000 metros quadrados. Este espaço comporta a continuidade de expansão da empresa nos ramos das pipocas e dos salgadinhos de milho.

Essa nova sociedade trouxe para a Cristal a ousadia de expansão, através da experiência dos amigos e da garra e inovação dos filhos, conquistando cada vez mais o público infanto juvenil e adulto com a qualidade gostosa e divertida dos produtos inovadores.

A partir de 2014, a Cristal iniciou um processo de reestruturação e profissionalização da empresa com renovação de seu sistema de gestão, de sua marca e sua identidade visual.

Hoje o negócio da  Cristal envolve a comercialização de pipocas doces, salgadas, caramelizadas e cobertas com chocolate, a fabricação de flocos de milhos doce coloridos, salgadinhos de Milho e de Trigo, distribuição de doces, terceirização para marcas próprias, entre outros projetos que estão em análise, para serem lançados em 2017.